Poesia – Intermezzos

Entre a gênese e o fim, intermezzos. Nada há que nos salve da vida. A não ser, a certeza de eternos recomeços.

Entre
a gênese
e o fim,
intermezzos.
Se nada nos salva da morte,
louvemos os recomeços!


  • Ricardo Cunha

2 respostas

Feedback, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s