Thrones In The Sky – Son of a Witch

son of a Witch“Um disco a ser fruído!”

Banda surgida em meados de 2008 no Rio Grande “Blood” do Norte¹, de forma altamente despretenciosa. Inicialmente fazendo um som instrumental, o grupo começou a adquirir  cara de banda com a entrada de “King Lizzard” no vocal. Os ensaios foram evoluindo e som foi ficando redondo. Os caras partiram para os shows e a banda foi conquistando público de modo que o primeiro registro, um EP auto-intitulado, acabou sendo uma consequência natural.

Jupiter CosmonautEntre as influências, é dispensável falar de Black Sabbath, citado como influência por 11 de 10 bandas que se definem como Stoner/Doom. Então, vale mencionar também, – e principalmente, – Pentagram, ST. Vitus, Kyuss, Cathedral, Down e Clutch.

O grupo, é atualmente formado por King Lizzard (vocal), “Psychedelic Monk” (guitarra), “Gila Monster” (guitarra), “Old Goat” (baixo) e “Asteroid Mammoth” (bateria). Como é notório, os caras curtem brincar com os pseudônimos e, com isto, nos conduzem através da nevasca sonora da banda, para entender mais sobre a dinâmica na qual a música do grupo é criada.

IMG-20171006-WA0024Havia falado noutra ocasião que o termo Stoner está perdendo gradativamente a capacidade de significação diante do que vem se criando nesse seguimento. De fato, como as composições estão ficando cada vez mais complexas quanto a estrutura, mudanças de andamento e duração, os músicos têm necessitado juntar termos adjacentes para melhor nomear o trabalho criacional de cada um.

Thrones in the SkyNo Brasil, Son of A Witch é, com certeza, uma autoridade no assunto. E, Thrones In The Sky mostra que os pioneiros do estilo na sua terra de origem são em grande parte, responsáveis pela disseminação dessa vertente musical no território nacional. Construções longas e densas parecem deslizar pelo vácuo criando uma espécie de sinestesia que evoca imagens altamente particulares no ouvinte (dependendo da sua relação com o estilo em questão). Thrones in the Sky (10:23), tem um forte apelo sabbáthico e já te cativa nos primeiros instantes; em Alpha Omega Astra (12:39) a viagem continua por vias sensoriais que induzem ao movimento involuntário; se você chegou em Far Away From Dreaming “Giant Spheres and humanoids” (09:29) é porque foi definitivamente capturado pela pulsação sonora dos potiguares; entretanto, caso esteja tentando resistir, New Monster (10:09) pode te pôr de joelhos antes do golpe de misericórdia, que é Jupiter Cosmonaut (16:26), uma canção a ser fruída sem qualquer conexão com o mundo das pessoas consideradas normais. Ao final, a sensação é a de que se está prestes a descartar a carcaça humana ficando a um passo de uma outra forma de vida. Por fim, no decurso da audição, ainda é possível perceber que King Lizzard se mostra um bom intérprete enfatizando e suprimindo sentimentos conforme a música vai se desdobrando. Nota 9,5.


Referências: 

¹¹Trocadilho com um famoso álbum do Ministry

2 respostas

  1. Confesso, não conhecia! Enquanto passava parte do tempo me dando o luxo de ficar deitada quietinha de olhos fechados no sofá, momento raro de se ver, rs..◕‿◕, aproveitei para ouvir o álbum. Grata por ter postado o som, viu! ◕‿-。 Não achei cansativo aos ouvidos, apreciei e muito os vocais variados, os riffs grudentos e eu adoooro! Mas gostei mesmo, da pesada (muito bem definida por você no post), densa, intensa e hipnotizante “Jupiter Cosmonaut”!!!
    Desejo um fim de tarde refrescante e te beijo com chocolate mentolado!! 。◕‿◕。

    Curtir

Feedback, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s