The Eternal Idol – Black Sabbath

bsabbath89-1341195054“Um disco com a cara dos anos 80”

Na segunda metade do ano de 1986, Ray Gillen (Badlands), ainda um desconhecido, é convidado para dar continuidade a turnê de Seventh Star, colocando sobre as próprias costas o peso de substituir a ninguém menos do que Glenn Hughes, que deixara o posto logo no início do giro. Naquela ocasião, a banda era formada por Tony Iommi (guitarra), Ray Gillen (vocal), Dave Spitz (baixo), Eric Singer (bateria) e Geoff Nicholls (teclados).

Encerrada a tour Seventh Star, a banda inicia o planejamento de The Eternal Idol, que, entretanto, seria marcado por uma série de conturbações motivadas pelo entra-e-sai de black-sabbath-photo-circa-1987-with-tony-martinmúsicos. A primeira delas, foi o afastamento do baixista Dave Spitz, que andava “meio desinteressado”.  Para o seu lugar chamaram Bob Daisley (Ex Ozzy, Rainbow, Etc).

Na sequência são gravadas as bases e escritas as letras das músicas. As referidas bases fazem parte do que ficou conhecido como a primeira versão do disco, que posteriormente foi tornada pública. Logo em seguida, Bob deixa a banda que, meio desestimulada, continua trabalhando. Como tudo sempre pode piorar, logo no início do ano novo (1987) é a vez de Eric Singer deixar a banda. Sendo seguido também pelo então, vocalista, Ray Gillen.

Para o lugar de Ray, é chamado o multi-instrumentista Tony Martin, que, juntamente com os remanescentes, REGRAVA totalmente o álbum. Bev Bevan retorna à bateria (havia tocado na tour de Born Again) e, para o baixo, de novo Dave Spitz é convidado.

Black_Sabbath_The_Eternal_IdolThe Eternal Idol é lançado quase um ano após o início oficial das gravações, ou seja, em novembro de 1987. Musicalmente, o disco não é ruim, mas há quem o julgue mal. Obviamente, como reflexo do conturbado processo de gravação, muito houve por fazer por parte da engenharia de som. O que, entretanto, não torna o disco, insignificante. Sendo mesmo um dos favoritos deste que vos escreve. […] Com excelentes composições e um bom trabalho por parte do produtor Jeff Glixman, “Eternal Idol” tem a cara dos anos 80. Servindo muito bem como representante da sonoridade de uma época marcada, ao mesmo tempo pelo romantismo e pela violência.


Referências:

2 respostas

Feedback, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s