Death – Parte 2: Scream Bloody Gore

“Parte 2: o lendário álbum de estréia”

1987 Scream Bloody Gore04“…” Todos esses movimentos convergiram para estimular o jovem Chuck. Já sob a alcunha “Death”, os caras passaram os próximos anos aprendendo técnicas através de ensaios árduos e algumas apresentações ao vivo. Com muito trabalho e perseverança finalmente gravaram uma demo-tape intitulada “Mutilation“, que começou a receber críticas positivas no underground, convencendo rapidamente os especialistas do gênero na Bay Area (o selo Combat Records), a assinar com o grupo.

1987 Scream Bloody Gore05_Quando seus colegas de banda se recusaram a deixar a Flórida para gravar, Chuck simplesmente os deixou para trás (eles formariam o famigerado Massacre) e se mudou para San Francisco para se juntar ao baterista Chris Reifert (que mais tarde formaria o Autopsy) para gravar o lendário álbum de estréia, Scream Bloody Gore. John Hand, guitarrista (abaixo), foi creditado mas não tocou no álbum nem em performances ao vivo.

1987 Scream Bloody Gore03_Lançado em 1987, o LP é considerado o primeiro documento arquetípico do death metal. O clássico do Possessed, “Seven Churches”, pode tê-lo antecedido por quase dois anos, mas talvez ambos tenham sido trabalhos concorrentes de uma perspectiva de experimentação, e Scream Bloody Gore simplesmente aconteceu mais tarde. No entanto, enquanto Seven Churchs representava algo de uma transição não planejada entre thrash e death metal, Scream Bloody Gore definiu mais claramente a verdadeira essência do novo gênero pelo uso de vocais guturais. Com base nos termos mais básicos, esta transição envolveu simplesmente impulsionar a velocidade total do thrash metal e a execução feroz de forma totalmente anti-comercial adicionada de letras repulsivas e de vocais normalmente indecifráveis. Desnecessário dizer que este nível sem precedentes de ódio sonoro contou com a adesão tempestiva de milhares de inconformados no mundo todo.

O disco foi produzido pelo desconhecido Randy Burns, foi gravado no The Music Grinder, em Los Angeles. A arte da capa ficou por conta de Edward J. Repka.

Tracklist:
01-Infernal Death
02-Zombie Ritual
03-Denial Of Life
04-Sacrificial
05-Mutilation
06-Regurgitated Guts
07-Baptized In Blood
08-Torn To Pieces
09-Evil Dead
10-Scream Bloody Gore

Nota: 8.

Parte 3


Referências:

2 respostas

    • Seja bem vinda Andrea. Fique ligada que escreverei sobre todos os discos na sequência de lançamento. Cada disco, um capítulo. Aguarde!

      Curtir

Ajude-nos a melhorar. Dê-nos feedback!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s