Life – Adagio

Adagio 2018

“Life, uma bela tentativa de produzir o seu álbum mais épico”

. Há sete anos sem lançar álbuns e, após algumas mudanças na formação, o agora sexteto Adagio volta à cena com o disco Life. Em um sentido periférico, muita coisa mudou no mundo da Adagio desde seu último álbum, Archangels In Black. Este álbum – o quinto da banda francesa de progressive metal – contou com os vocais de Christian Palin, que se separou da banda no ano seguinte ao lançamento. Eric Lebailly, baterista também deixou o grupo, o que resultou em mudanças significativas no som da banda.

adagio albumEm Life a banda parece haver se tornado mais prolixa no que tange ao formato das composições. O disco é conceitual e fala da “vida” como uma jornada contemplativa através das emoções. Uma visão filosófica que remete às grandes odisseias cinematográficas. Daí o leitor/ouvinte pode imaginar que tudo (arranjos, riffs, harmonias, etc) esteja muito associado à quantidade. No que pode até ter razão, mas não é apenas isso! O trabalho foi idealizado e executado, também, com muita qualidade. Os dois novos rostos, o baterista Jelly Cardarelli e a violinista Mayline Gautié, ajudaram a manter o padrão dos trabalhos anteriores. No entanto, também é verdade que o álbum oferece muita informação fazendo com que o ouvinte se perca em dados momentos e isto depõe contra o esforço da banda em produzir o seu álbum mais épico. No geral, a música é permeada de atmosferas e de mudanças de andamentos, que sacodem o ouvinte em várias direções. Difícil eleger destaques com uma única audição. Com duas, os meus destaques no momento, são: Subrahmanya, nome para o deus hindu da guerra, é uma das mais pesadas do disco; I’ll Possess You, na qual se destaca violinista Mayline e parece indicar uma abertura com vistas ao aumento de audiência; e, Torn, a mais curta, que pode significar um contraponto à todo resto do disco.

Adagio 20182

A formação que gravou o disco contou com Stephan Forté (guitarrista), Kelly “Sundown” Carpenter (vocalista), Franck Hermanny (baixista), Jelly Cardarelli (baterista), Kevin Codfert (tecladista) e Mayline Gautié (violinista). O disco foi gravado no Axone Studio (FRA), produzido por Stéphan Forté, mixado por Kevin Codfert e masterizado por Brett Caldas-Lima. A belíssima capa foi concebida por Rusalka Design

TRACKLIST:

01-Life (9:11)
02-The Ladder (6:23)
03-Subrahmanya (6:55)
04-The Grand Spirit Voyage (6:01)
05-Darkness Machine (5:42)
06-I’ll Possess You (5:46)
07-Secluded Within Myself (5:46)
08-Trippin’ Away (5:53)
09-Torn (4:36)

NOTA 8.


3 respostas

  1. A maneira que eles incorporaram elementos mais modernos nesse álbum – como destacado em Subrahmanya – e os vocais do Kelly Sundown Carpenter foram as duas coisas que mais me agradaram.
    E apesar da complexidade e de não ter tanta fluidez entre as transições, os sentimentos passados em cada música deixam claro a intenção do álbum.

    Curtido por 1 pessoa

Feedback, por favor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s